A _ cor _ dar , é preciso !






Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

terça-feira, setembro 30, 2008

Côr de Meryl Streep

tempo atrás, num programa televisivo , uma das intervenientes , declarrou que esta actriz , era boa , mesmo a jogar " a amarelinha " .
Concordei , e mantenho.

Só ela me obrigava a ver este filme !

Nunca fui fã dos ABBA .
Mas , também estou num momento, em que muitas vezes penso ..... _ porque não _ ? " Não vai doer " , e neste caso , apenas vou ouvir musicas que não aprecio , cantadas por pessoas que não o sabem fazer . . . como aconteceu !
Houve bocadinhos bem interpretados _ bem ... mas eu sou capaz de ver um filme , por um pequeno pormenor _ .

Aconteceram cenas hilariantes, onde o kitsch reinava.
Enquanto o filme decorreu assisti com atenção, quando terminou ... terminou mesmo !
Mas ,
para além daquela á qual reitero o meu apreço como uma senhora grande actriz , destacam -se as duas outras actrizes que a acompanham . !

segunda-feira, setembro 29, 2008

Côr de balões de papel .


Esta noite tive um sonho
Pode ser considerado belo e interessante.

_ Estava numa grande sala , despida de móveis, com três pessoas conhecidas.
Aguardavamos uma outra , que não chegou !
Enquanto esperava , resolvi colocar no tecto , balões , feitos em papel de arroz e pintados com belas e suaves cores.
Apenas um, era , todo ele , de um lindo verde esmeralda .
Para lá chegar impolsionava o corpo e deslocava - me como que voando.
Senti -me feliz , leve , livre _ .

Acordei , ainda com a sensação de me encontrar no alto.
Depois de bem acordada ... invadiu-me um sentimento misto de saudade e nostalgia.
Saudade de quem e de quê
?!

Das pessoas ... dos balões ...
?!

Da leveza e liberdade sentida
?!
Ou , pura e simplesmente de me ter consciencializado que ... já , ou ainda , não consigo voar ?!

domingo, setembro 28, 2008

Côr de Paul Newman .



Morrer ,
é apenas ... deixar de ser visto
.!

Ennio morricone / chi mai .


Na morte, tal como na vida, há ... um desaparecer , para se nascer noutra dimensão, dor , sofrimento , e . . . inesperadamente . . . lugar para um certo belo !

sábado, setembro 27, 2008

Côr de alegria na tristeza .

_A alegria na tristeza _
O título deste texto na verdade não é meu, e sim de um poema do uruguaio Mario Benedetti. No original, chama-se "Alegría de la tristeza" e está no livro "La vida ese paréntesis" que, até onde sei, permanece inédito no Brasil.

O poema diz que a gente pode entristecer-se por vários motivos ou por nenhum motivo aparente. A tristeza pode ser por nós mesmos ou pelas dores do mundo, pode advir de uma palavra ou de um gesto, mas que ela sempre aparece e devemos nos aprontar para recebê-la, porque existe uma alegria inesperada na tristeza, que vem do fato
de ainda conseguirmos senti-la.

Pode parecer confuso mas é um alento.

Olhe para o lado ... estamos vivendo numa era em que pessoas matam em briga de trânsito, matam por um boné, matam para se divertir. . .

E a gente corre " pra caramba ", é escravo do relógio, não consegue mais ficar deitado numa rede, lendo um livro, ouvindo música. Há tanta coisa para fazer que resta pouco tempo para sentir.

Por isso, qualquer sentimento é bem-vindo, mesmo que não seja uma euforia, um gozo, um entusiasmo, mesmo que seja uma melancolia.

Sentir é um verbo que se conjuga para dentro, ao contrário do fazer, que é conjugado para fora.

Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta. Fazer é muito barulhento.

Sentir é um retiro, fazer é uma festa. O sentir não pode ser escutado, apenas auscultado. Sentir e fazer, ambos são necessários, mas só o fazer rende , contactos, diplomas, convites, aquisições.

Até parece que sentir não serve para subir na vida.

Uma pessoa triste é evitada. Não cabe no mundo da propaganda dos cremes dentais, dos pagodes, dos carnavais. Tristeza parece praga, lepra, doença contagiosa, um estacionamento proibido.

Certo, tristeza não faz realmente bem á saúde, mas a introspecção é um recuo providencial, pois é quando silenciamos que melhor conversamos com nosso eu. E dessa conversa sai luz, lições, sinais, e a tristeza acaba saindo também, dando espaço para uma alegria nova e revitalizada.

Triste é não sentir nada. !

Marta Medeiros

sexta-feira, setembro 26, 2008

Côr de paixão .







Aquilo a que chamamos paixão , não passa de uma necessidade de posse ou de saciar um desejo.

Paixão . . . é aquele estado em que a mente se permite um abandono total de tudo , um completo deixar ir .
E não conseguimos abandonar tudo , sem uma paixão profunda , intensa.


Este estado assusta !
Mas só quem é intenso, tem a possibilidade de compreender e sentir a qualidade da beleza.
A mente que se reserva , que se agarra ao poder , à posição , ao prestígio , nunca consegue abandonar - se.

A palavra paixão é dita com bastante frequência ... e ... aquele sentir é raro .
A nossa mente está , ainda , muito alerta quanto ao assunto do
desapego e abandono .!

quinta-feira, setembro 25, 2008

Côr de quando ?!



Ai
doce pensamento meu ,
quando me levarás onde te envio ... eu ?!

quarta-feira, setembro 24, 2008

Côr de outra casca .


As palavras
têm outra casca ... lá mais para dentro ...
como as amêndoas
e
a paciência
!

Ciánnis Ritsos

terça-feira, setembro 23, 2008

segunda-feira, setembro 22, 2008

Côr de Outono .




Chegou
Desde sempre , a minha estação , do ano , preferída.

Possuí uma certa doçura , suavidade e equilibrio.
A natureza veste-se com cores esplendorosamente quentes , ainda que esses vermelhos de que tanto gosto , signifiquem morte .
Mas a morte pode ser bela , sobretudo quando é o pronúncio de um renascer próximo .

Bem vindo !

domingo, setembro 21, 2008

Côr de ...invisível .


A
Criança observa , com amor e não com indiferença.
Isso , é que a faz ...
_ Ver o invisível _


Maria Montessori

sábado, setembro 20, 2008

Côr de de firmeza .



Com
Seus campos , seus arbustos , ele caminha , a folhagem solar dentro do corpo.
É um animal cordial, iluminado , pela sede, pelo odor , pela firmeza.

Cada pálpebra que se fecha é folha cheia
Cada olhar ...
A mão no dorso quente ... estilhaços de luz , concentração mortal.

Aqui não há venenos , mas um cavalo que nasce da brancura plena
e
anseia ser a busca de um animal mais alto, mais puro e mais perfeito !


António Ramos Rosa

Para ti ... P .

sexta-feira, setembro 19, 2008

Côr de sono coloquial .


Da velhice
Sempre invejei
o adormecer
no meio da conversa.

Esse descer de pálpebra , não é idade nem cansaço ...

Fazer da palavra um embalo , é o mais puro e apuradoSenso da poesia !



Mia Couto

quinta-feira, setembro 18, 2008

Côr de eliminar .

Para
Ganhar conhecimento , adiciona coisas todos os dias .
Para
Ganhar Sabedoria , elimine coisas todos os dias !

Lao -Tsé

Quando estaremos preparados para Tal ?!

quarta-feira, setembro 17, 2008

Côr de aceitação .



Ontem
Fiquei , momentâneamente, triste , ao descobrir que tenho gostado de um ser que não existe.
Uma simples frase e o tom em que foi proferída , foi o clique .

Mas passadas umas horas, e a sós, pus o coração e a cabeça a funcionar.
Nestes casos a cabeça também entra.

Aquele ser foi obra minha!
Podemos ir mudando ... mas a essência, a raiz ,os valores fundamentais, a etica ... não!

Mas
Uma pessoa que nunca existiu não me pode afectar
e
Sobretudo não devemos responsabilizar os outros pelas nossas desilusões!

Este ser continuará a fazer parte do meu mundo, tal como é
e
Assim o aceitarei .

Quanto aos meus sentimentos . . .
Tentarei que o exterior interfira o menos possível
e
Que eu tenha a maior ascendêcia sobre eles .!
Smoke Gets In Your Eyes - Joe Pass, Andre Previn, Ray Brown

terça-feira, setembro 16, 2008

Côr de ... ti próprio .

Como
se nasce segunda vez
?
_ perguntei _
E tu disseste ... no meu ventre tu nasces todos os dias.
E
é de ti próprio que nasces !

Albano Martins

segunda-feira, setembro 15, 2008

Côr de nature boy .



Quantos principezinhos visitarão , de quando em vez , a Terra ?!

Côr de nature boy / Nat King Cole .

domingo, setembro 14, 2008

Côr de regresso .



A pausa terminou.
Foi curta, mas suficiente para aquilo a que me tinha proposto.

Há vida noutros mundos . Se existem , têm que ter vida ...
A sua Vida !

Quanto á Existência , neste planeta chamado Terra ... Também.
Existe a vida que todos possuímos.
A Vida em nós.
Ou melhor ... a vida em Si .

E por isto , antes de encetar qualquer viagem por esse mundo fora, fiz uma outra ... importantíssima .
Viagei dentro de mim.
Quis saber como estava a minha vida.
Conhecer - me um pouco mais , sem medos , para a partir daí , passar aos outros.
Não para comparar , nunca .
Mas para tentar compreender , aceitar e amar .

Concluí que não consigo fazê - lo sem sofrimento.
Porque a maioria de nós quando ama , sofre com as chamadas imperfeições.

Mas há seres , muito poucos , que já alcançaram outro patamar ...
Amam apenas !
Um amor sem necessidade de motivos ou explicações .

Amam a Vida acima do Bem e do Mal .!
04 Symphony No. 9 in E minor (From the New World, first published as No. 5), B. 178 (Op. 95)- Allegro con fuoco.wma - Herbert von Karajan

segunda-feira, setembro 08, 2008

Côr de pausa .



Vou fazer uma pausa !
Aproveito , entretanto , para visitar outros mundos, e confirmar se a vida que dizem não existir é melhor que a vida que dizem existir , neste belo e mal tratado planeta azul .

Fiquem em Paz !
Não demoro .
E que eu traga a boa noticia ... _Que , apesar de tudo, a Vida é melhor Aqui _.!

domingo, setembro 07, 2008

Côr de estar consigo .

Mas que cansaço, não tem um minuto .
Mentiras.
O que não tem é forças para pensar a vida e calma , para sentir como ela corre.
Quando ele não tem tempo, quando ele trabalha muito e mede os segundos, como outros medem as horas e os dias . Quando é incapaz de se sentar por um instante, sem ansiedade, não acredites nele.

O trabalho é o esconderijo que os homens encontraram para não viverem segundo um ritmo mais humano e mais decente.
É a maneira que têm de estar sós, sem terem de dizer que querem estar sós
!

Héctor A. Faciolince _ Receitas de amor, para mulheres tristes _

O acima dito, retrata a atitude de muitos homens.
Mas quantas mulheres haverá que aceitam que o seu companheiro lhe diga _ apetece-me estar só _
Muitas ?
Certamente na mesma proporção de homens que não são capazes de dizê - lo !
E ... quantos de nós, dizemos, naturalmente, aos que nos rodeiam _ hoje não ... apetece-me estar só _ ?

E ... Quantos , sabemos estar só ?!

sábado, setembro 06, 2008

Côr de ... é .


O
Que falam de mim ...
Não me diz respeito !

Mário Quintana

É ... !

quinta-feira, setembro 04, 2008

Côr de sonhos .

O Sonho
é ...

Acreditar que um poema
Pode mudar a vida .

Uma casa sem portas .
Fazer de cada palavra, um diamante .
É ser livre , e saber porquê .
É um gato a dormir no nosso colo , à noite.

O sonho
é
Aquilo que ninguém pode proibir
!



José jorge Letria _ O sonho É ... _

quarta-feira, setembro 03, 2008

Côr de Mariana .


Mais um ano se passou ,
Na vida ,
De um dos meus pequenos grandes amores !


Que cresças com tudo aquilo que já possuis.
_Minha pequena grande guerreira _

terça-feira, setembro 02, 2008

Côr de cavalo .


Um
Dia chegará
Que alguém se mostre agradecido ,
e
Diga ...
_ Entre
e
Coma à nossa mesa _
!

António Osório

segunda-feira, setembro 01, 2008

Côr de ternura ... vida .


Ternura, amor , paciência
Vida
!

Côr de ... vida .




Há dias, deambulando por uma livraria , reparei num livro , cujo titulo é ...
_
A vida não se aprende nos livros _

É ponto assente , pelo menos para mim


Convivi com uma pessoa que não era dada a leitura de livros , mas lia nas pessoas ... os seus silêncios, os não silêncios, os olhos, o comportamento das mãos e sobretudo como interagiam .
Mas de onde ela tirava grande aprendizado era lidando com crianças, animais e até mesmo plantas !

É que a vida existe em nós.
Em todas as suas formas, cores, dimensões.
E mais ainda, ela contem em si , o seu próprio objectivo.
Não é um meio para chegar a um fim , é o fim em si mesmo.


De facto, não é nos livros que aprendemos tal, mas parando de quando em vez ... e indo ao fundo do nosso ser .
Para lermos a nossa alma e o nosso coração , ou o que queiram chamar .
Aí, está e estará ... o que é a vida .


Os livros ... corroboram . !