Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi




A _ cor _ dar , é preciso !


domingo, maio 31, 2009

Côr de summertime / Miles Davis



Mais uma , das mil e muitas interpretações existentes .
Possuo algumas _ 80 _ e gostava de partilhá-las com os amigos , mas através deste meio não é possível .
Espero que gostem desta
,


etenham um bom domingo !

sábado, maio 30, 2009

Côr de ... onde há mais luz .



Mulla Nasrudin estava procurando algo no chão.
O que você perdeu, Mulla ? _ Alguém que o viu procurando, perguntou _
_ Minha chave _ disse Mulla.
Então , os dois ajoelharam - se e procuraram .

Depois de um tempo , o outro homem perguntou ... Onde exactamente a deixou cair ?
_ Na minha casa _ disse Mulla.
Então , por que você está procurando aqui
?
Tem mais luz aqui que dentro de minha casa.

Eu , também , lhe pergunto ...

onde está procurando a chave ?

Dentro de casa

ou

fora , onde há mais luz ... ...

*

*

Osho _ Uma xicara de chá _

sexta-feira, maio 29, 2009

Côr de ... não crer .



No coração da mina mais secreta ,
No interior do fruto mais distante ,

Na vibração da nota mais discreta,
No búzio mais convolto e ressoante ,

Na camada mais densa da pintura ,
Na veia que no corpo mais nos sonde,

Na palavra que diga mais brandura ,
Na raiz que mais desce , mais esconde,
No silêncio mais fundo desta pausa , em que a vida se fez perenidade,
Procuro a tua mão , decifro a causa

De querer e não crer , final ,


intimidade !


José Saramago

quinta-feira, maio 28, 2009

Côr de ... animais em circos .



A grandeza de uma Nação pode ser julgada pela forma como os seus animais são tratados .


Mahatman Gandhi
*
*

_ Proibição do uso de animais em circos _ .
PS e PSD não deixaram aprovar projectos do PEV, PCP
e BE .
CDS-PP votou a favor das proibições .
Parlamento e Governo continuam a permitir que Portugal seja um inferno para os animais .!
*
*
Mas pensando bem ... o Governo é eleito pela maioria da população ... a mesma que frequenta os circos , as touradas ... ...

E [ parecendo fugir um pouco ao assunto ] já não falando na quantidade , cada vez em maior número , de amigos de quatro patas abandonados ... pelas razões mais diversas .
Tudo isto é triste , mas é a nossa realidade ... ...

Consentida . !


As declarações de Paulo Rangel datam de 25 de Novembro passado, numa entrevista ao semanário Sol. O cabeça de lista do PSD às Europeias referiu então, sem qualquer reserva, acreditar que «matar os animais pode ser um desporto» e que estes, apesar de merecerem protecção, «não são titulares de direitos».

O deputado foi mais longe e considerou que a utilização de peles de animais para confecção não
seria um problema, a menos que estivesse em causa a extinção de espécies. Palavras escandalosas e de extrema gravidade, sobretudo quando na mesma entrevista se refere a Monty, o seu labrador de estimação.

Numa resposta dura às considerações de Rangel, este vídeo mostra vários exemplos de crueldade para com os animais. Imagens chocantes que acompanham as também chocantes declarações do candidato do PSD às Europeias.

Cães, focas e toiros são protagonistas deste vídeo, lado-a-lado com Rangel e as suas mais fortes expressões. Numa altura em que os portugueses estão prestes a escolher os representantes para o Parlamento Europeu, parem e pensem se
é este o homem que quer para representar Portugal na Europa?!

quarta-feira, maio 27, 2009

Côr de ... cansativo .



Em
minha parede há uma escultura , de madeira , japonesa ,
máscara de um demônio mau, coberta de esmalte dourado .
Compreensivo , observo as veias dilatadas da fronte ,
indicando ... ...

Como é cansativo ser mau !



Bertold Brecht

terça-feira, maio 26, 2009

Côr de bruscamente .



Com as mãos construo a saudade do teu corpo,
onde havia uma porta ,
um jardim suspenso ,
um rio ,
um cavalo espantado à desfilada.
Com as mãos descrevo o limiar ,
os aromas subtis ,
os largos estuários ,
as crinas ardentes fustigando-me o rosto,
a vertigem do apelo nocturno,
o susto.
Com as mãos procuro_ ainda _colher o tempo de cada movimento do teu corpo ,
em seu voo.
E por fim destruo todos os vestígios _ com as mãos _
Bruscamente!


Eduíno Gonçalves

segunda-feira, maio 25, 2009

Côr de ... quase nada .



As mãos pressentem ...
As mãos pressentem a leveza rubra do lume
repetem gestos semelhantes a corolas de flores
voos de pássaro ferido no marulho da alba
ou ficam assim azuis
queimadas pela secular idade desta luz ,
encalhada como um barco nos confins do olhar .
Ergues de novo as cansadas e sábias mãos ,
tocas o vazio de muitos dias sem desejo
e
o amargor húmido das noites
e
tanta ignorância ,
tanto ouro sonhado , sobre a pele tanta treva ,
quase nada .



Al Berto

domingo, maio 24, 2009

sábado, maio 23, 2009

Côr de ... sempre .


Não
me ames para sempre

todos os dias ... ...

Quero que me ames ,

hoje !

sexta-feira, maio 22, 2009

Côr de duas Artes .



São
tantos os silêncios da fala .
De sede
De saliva
De suor .
Silêncios de silex no corpo do silêncio .
Silêncios de vento de mar e de torpor,
De amor .
Depois, há as jarras com rosas de silêncio .
Os gemidos nas camas .
As ancas .
O sabor .
O silêncio que posto em cima do silêncio , usurpa do silêncio o seu magro labor.



Maria Teresa Horta
Mary cassatt _ imagem

quarta-feira, maio 20, 2009

Côr de o mais livremente .




Não
quero minha casa murada , a única porta , a de entrada , sempre aberta e janelas nunca fechadas.
Para
que os ventos e cores de todo o universo soprem por toda ela , o mais livremente possível !

terça-feira, maio 19, 2009

Côr de Mario Benedetti .



Para cruzá-la ou não cruzá-la
eis a ponte

Na outra margem alguém me espera
com um pêssego e um país

trago comigo oferendas desusadas
entre elas um guarda-chuva de umbigo de madeira
um livro com os pânicos em branco
e um violão que não sei abraçar

venho com as faces da insônia
os lenços do mar e das pazes
os tímidos cartazes da dor
as liturgias do beijo e da sombra

nunca trouxe tanta coisa
nunca vim com tão pouco

eis a ponte
para cruzá-la ou não cruzá-la
e eu vou cruzar
sem prevenções

na outra margem alguém me espera
com um pêssego e um país



Mario Benedetti

Que o pêssego seja sumarento e doce e que o país seja o sonhado.
Não é um adeus , é um ... até já ... ...

segunda-feira, maio 18, 2009

Côr de Museu .



O Museu Nacional Soares dos Reis - antigo Museu Portuense - foi o primeiro museu público do país.
Criado em 1833 , em pleno Cerco do Porto, por D. Pedro
IV.
Em 1911, no âmbito das reformas republicanas, o Museu ganha nome de Soares dos Reis em homenagem ao primeiro e mais notável pensionista em Escultura da Academia Portuense de Belas-Artes.
Grande parte do espólio do escultor faz parte da colecção do Museu.
Entre ele encontra-se aquela que é a obra mais significativa ,
O Desterrado ...


Não penses.
Não acendas o sangue da beleza nua.
Melhor é não vestires o tule da cultura e do olhar.
Não soltes os dedos. Não levantes o corpo.
Deixa-te ficar assim na luz dos séculos e vão buscar-te sempre.
Olhando-te de longe não te maculam a natureza e assim serás sempre a Beleza do mármore nascida e das mãos

e do movimento interior do amor que faz a Arte.
O teu eterno exílio , Desterrado , é um espaço e um

tempo, a alma do olhar iluminado.


José Almeida da Silva



Entretanto , com a minha tendência pelo mais pequeno , prefiro este busto ...
_ A Flor do Agreste _

domingo, maio 17, 2009

Côr de ... de olhos abertos .


Almazinha ,
alma terna e flutuante , companheira do meu corpo , de que foste hóspede , vais descer àqueles lugares pálidos , duros e nus onde terás de renunciar aos jogos de outrora .
Contemplemos juntos , um instante ainda , as praias familiares , os objectos que certamente nunca mais veremos ...
Procuremos entrar na morte
de olhos abertos ...
*
*
*
Marguerite Yourcenar _ Memórias de Adriano _

sábado, maio 16, 2009

Côr de auto retrato .



No retrato que me faço _ traço a traço _
Ás vezes me pinto nuvem , ás vezes me pinto árvore ...
Ás vezes me pinto coisas , de que nem há mais lembrança...
Ou coisas que não existem ,
Mas que um dia existirão ...
*
Mario Quintana

quinta-feira, maio 14, 2009

Côr de uma princesa desconhecida .



Para que ela tivesse um pescoço tão fino .
Para que os seus pulsos tivessem um quebrar de caule .
Para que os seus olhos fossem tão frontais e limpos .
Para que a sua espinha fosse tão direita ,
E ela usasse a cabeça tão erguida .
Com uma tão simples claridade sobre a testa .
Foram necessárias sucessivas gerações de escravos ,
De corpo dobrado e grossas mãos pacientes ,
Servindo sucessivas gerações de príncipes ,
Ainda um pouco toscos e grosseiros ,
Ávidos cruéis e fraudulentos .

Foi um imenso desperdiçar de gente ,
Para que ela fosse aquela perfeição ,
Solitária , exilada , sem destino !


Sophia de Mello Breyner Andresen

quarta-feira, maio 13, 2009

Côr de ... lição de coragem .

Muitas vezes , senão sempre , as adversidades e o perigo ,
surgem ,
para nos dizerem ...

És capaz !



Tira tirada d' aqui

terça-feira, maio 12, 2009

Côr de Ode ao gato .



Seres polêmicos , sem o querer, porque sábios, mas inquietantes !

Talvez por isso , nada é mais incómodo que o silencioso bastar -se dos gatos .
O gato só pede a quem ama. Só ama quem o merece .
O homem quer o bicho espojado, submisso, cheio de súplica, temor, reverência, obediência.


O gato não satisfaz as necessidades doentias do amor. Só as saudáveis.
Já viu gato amestrado, de chapeuzinho ridículo, obedecendo às ordens de um pilantra que vive às custas dele?
Não!
Até o bondoso elefante veste saiote e dança a valsa no circo. O leal cachorro , no fundo ,compreende as agruras do dono e faz a gentileza de ganhar a vida por ele. O leão e o tigre se amesquinham na jaula.
Gato não.
Ele só aceita uma relação de independência e afeto .
E como não cede ao homem, mesmo quando dele dependente, é chamado de arrogante, egoísta, safado, espertalhão ou falso.
Falso , porque não aceita a nossa falsidade com ele , e só admite afecto com troca e respeito pela individualidade.
O gato não gosta de alguém porque precisa gostar para se sentir melhor. Ele gosta pelo amor que lhe é próprio, que é dele e ele o dá , se quiser. O gato devolve ao homem a exata medida da relação que dele parte. Sábio, é espelho. O gato é zen. O gato é Tao.

Ele conhece o segredo da não - ação que não é inação. Nada pede a quem não o quer. Exigente com quem ama , mas só depois de muito certificar-se. Não pede amor, mas se lhe dá , então ele exige. Sim , o gato não pede amor. Nem depende dele. Mas, quando o sente, é capaz de amar muito. Discretamente, porém , sem derramar-se. O gato é um italiano educado na Inglaterra. Sente como um italiano mas se comporta como um lorde inglês.

Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não gosta de gato.
Ele aparece , então , como ameaça , porque representa essa relação precária do homem com o próprio mistério.
O gato não se relaciona com a aparência do homem. Ele vê além , por dentro e pelo avesso. Relaciona-se com a essência. Se o gesto de carinho é medroso ou substitui inaceitáveis mas existentes impulsos secretos de agressão, o gato sabe. E se defende do afago.

A relação dele é com o que está oculto, guardado e nem nós queremos, sabemos ou podemos ver. Por isso , quando surge nele um ato de entrega, de subida no colo ou manifestação de afeto, é algo muito verdadeiro, que não pode ser desdenhado. É um gesto de confiança que honra quem o recebe, pois significa um julgamento .

O homem não sabe ver o gato, mas o gato sabe ver o homem.
Se há desarmonia real ou latente, o gato sente. Se há solidão, ele sabe e atenua como pode _ ele que enfrenta a própria solidão de maneira muito mais valente que nós _.
Se há pessoas agressivas em torno ou carregadas de maus fluidos, ele se afasta. Nada diz , não reclama. Afasta-se. Quem não o sabe "ler" pensa que ele não está ali. Presente ou ausente, ele ensina e manifesta algo. Perto ou longe, olhando ou fingindo não ver, ele está comunicando códigos que nem sempre , ou quase nunca , sabemos traduzir .

O gato vê mais e vê dentro e além de nós. Relaciona-se com fluidos, auras, fantasmas amigos e opressores.
O gato é médium, bruxo, alquimista e parapsicólogo. É uma chance de meditação permanente a nosso lado , a ensinar paciência, atenção, silêncio e mistério. O gato é um monge portátil à disposição de quem o saiba perceber. Monge , sim , refinado, silencioso, meditativo e sábio monge, a nos devolver as perguntas medrosas esperando que encontremos o caminho na sua busca , em vez de o querer preparado, já conhecido e trilhado.
O gato sempre responde com uma nova questão , remetendo-nos à pesquisa permanente do real , à busca incessante , à certeza de que cada segundo contém a possibilidade de criatividade e de novas inter-relações , infinitas , entre as coisas.

O gato é uma lição diária de afeto verdadeiro e fiel. Suas manifestações são íntimas e profundas. Exigem recolhimento, entrega, atenção. Desatentos não agradam a gatos. Bulhosos os irritam. Tudo o que precise de promoção ou explicação, quer afirmação. Vive do verdadeiro e não se ilude com aparências. Ninguém em toda natureza aprendeu a bastar-se , até na higiene , a si mesmo como o gato!

Lição de sono e de musculação, o gato nos ensina todas as posições de respiração yoga. Ensina a dormir com entrega total e diluição recuperante no Cosmos. Ensina a espreguiçar-se com a massagem mais completa em todos os músculos, preparando-os para a ação imediata. Se os preparadores físicos aprendessem o aquecimento do gato, os jogadores reservas não levariam tanto tempo _ quase 15 minutos _ se aquecendo para entrar em campo. O gato sai do sono para o máximo de ação, tensão e elasticidade num segundo. Conhece o desempenho preciso e milimétrico de cada parte do seu corpo, a qual ama e preserva como a um templo. Lição de saúde sexual e sensualidade. Lição de envolvimento amoroso com dedicação integral de vários dias. Lição de organização familiar e de definição de espaço próprio e território pessoal. Lição de anatomia, equilíbrio, desempenho muscular. Lição de salto. Lição de silêncio. Lição de descanso. Lição de introversão. Lição de contato com o mistério, com o escuro, com a sombra. Lição de religiosidade sem ícones. Lição de alimentação e requinte. Lição de bom gosto e senso de oportunidade. Lição de vida, enfim , a mais completa , diária , silenciosa, educada , sem cobranças, sem veemências, sem exigências.


O gato é uma chance de interiorização e sabedoria posta pelo mistério à disposição do homem.



Artur da Távola

Texto dedicado aos humanos que não gostam de ... ... gatos ?!!!

segunda-feira, maio 11, 2009

Côr de ... vamos brincar ?! .



Quer saber a estória deste gatinho ... ... aqui

domingo, maio 10, 2009

Côr de tenhamos um bom domingo .


Esta sequência de imagens tem tanto a dizer - nos ...
não só no que se pode observar ,
mas
O que cada um pode ver e pensar , conforme os registos
da sua alma e coração .
Conforme o seu grau de sensibilidade .
Enfim ... tanto para ver , ler e pensar !

Aqui estão um gato e um cão .
Mas se quizermos podem estar outros seres .

Dois humanos que sejam capazes de , depois de uma mirada , juntarem as suas solidões , sem medo .

Há sempre o mais arrojado .
E
Qual deles será o mais ... ...
O que faz o convite ou o que vai confiante , e se aconchega
até à alma ? !

Pensemos nisto ,

e
Tenhamos um bom domingo !

sábado, maio 09, 2009

Côr de magia .



Contaram
a esta lebre que era tempo de Primavera ... ...
Mas ela só acreditou ,
quando
a viu ,
no bico das andorinhas!

sexta-feira, maio 08, 2009

Côr de ... no principio e no fim .



Hoje ,
apercebi-me que o amanhecer e o crepusculo se assemelham ... e muito !
E
entre ambos o que encotramos ... ...
As cores e texturas
de
que são formados
os
sonhos
do dia a dia !

quinta-feira, maio 07, 2009

Côr de ... coisitas da vida .




dias assisti a uma conversa . E digo assisti , porque estava presente e , também porque algumas são autênticas mini peças teatrais _ têm publico , o ponto fulcral ou enredo , os actores , enfim tudo o que uma peça necessita _ Há .... no fim , por norma , aplausos de alguns e apupos , mas cada vez menos , de outros .
Tento sair antes da peça terminar _ porém , existem contigências que nem sempre o permitem _
Entretanto , não sou nem pelos alausos nem pelos apupos ... deixo uma pergunta no ar ... e aí já há tema para outra mini peça.
Mas tenham calma ... o tema não é a minha pergunta _ isso talvez até fosse interessante _
não ... o tema ... é a minha pessoa _ o que não deixa de ter piada _
Porque ...
Só e simplesmente , estão a falar de um ser que não existe .
As pessoas , poucas , que me conhecem não falam de mim . Falam sobre mim .
Melhor , ainda ,

Falam comigo , riem comigo , choram comigo e o mais dificil , mas mais saboroso , contemplam a vida , muitas das vezes silenciosamente , comigo.
E eu com Elas !

Bem ... e o tema da tal conversa ... fica para outra vez .!

quarta-feira, maio 06, 2009

Côr de reciprocidade amorosa .



Nascemos todos com vontade de amar.
Ser amado é secundário.
Prejudica o amor que muitas vezes o antecede. Um amor não pode pertencer a duas pessoas, por muito que o queiramos. Cada um tem o amor que tem, fora dele. É esse afastamento que nos magoa, que nos põe doidos, sempre à procura do eco que não vem. Os que vêm são bem-vindos, às vezes, mas não são os que queremos. Quando somos honestos, ou estamos apaixonados, é apenas um que se pretende.Tenho a certeza que não se pode ter o que se ama. Ser amado não corresponde jamais ao amor que temos, porque não nos pertence. Por isso escrevemos romances _ porque ninguém acredita neles, excepto quem os escreve_
Viver é outra coisa. Amar e ser amado distrai-nos irremediavelmente. O amor apouca-se e perde-se quando quando se dá aos dias e às pessoas. Traduz-se e deixa ser o que é. Só na solidão permanece...


Miguel Esteves Cardoso
Excerto de _ O amor é fodido _

_ Que nascemos todos com vontade de amar _ completamente de acordo.
_Ser amado , secundário _ ... tenho seríssimas dúvidas . Poucas pessoas buscam o amor e amam , pelo sentimento em si . Pelo prazer de amar.
Antes pelo contrário ... A maioria de nós , procura-o , para ser amado .
Quando a reciprocidade acontece ... óh felicidade . !

terça-feira, maio 05, 2009

Côr de pantufa negra .




Estas tiras , de autoria de Luis Faustino , e com saída diária aqui , são ... ... a não perder !

domingo, maio 03, 2009

sexta-feira, maio 01, 2009

Côr de Maio ... Maio .



Zeca Afonso ... um dos muitos seres , que só não é visto, mas que permanece . . .

vivo !