Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi




A _ cor _ dar , é preciso !


segunda-feira, maio 31, 2010

domingo, maio 30, 2010

Côr de desafios .



Há dias , vi um pouco de um concurso , do qual não sei o nome , onde eram feitas perguntas a uma criança e a um adulto .
A pessoa que as fazia , nem sempre as terminava , pois os concorrentes acionavam o botão para puderem responder ... rápido e supostamente ganharem .
Como disse , não vi o dito concurso todo , e apenas uma vez .
Mas a atitude dos concorrentes , sobretudo das crianças , incomodou - me .
A pressa de dar a resposta é tal que não são capazes de ouvir a pergunta até ao fim .

Isto é um concurso que implica ganhar [ dinheiro e prestígio ] .

O grave , é que na vida , muitos de nós estão , também , desta forma .
Com a cabeça tão cheia de respostas , que não conseguimos disponibilidade para ouvir as perguntas ou algo digno de ser escutado .

sexta-feira, maio 28, 2010

Côr de ... é livre e eterno .



Os gatos
entram na nossa vida pela porta estreita do afecto e
demoram-se ... ...
e
fazem o ninho , pequenos deuses sem tutela , como
quem faz do nosso coração
a sua casa.
A sua soberania é ágil e volátil como o voo dos pássaros e

o sono das fadas .
Os gatos são a nossa paixão abençoada , pela alma que
põem no que são e no que sabem e pela ternura que
guardam no que escondem .
Pela boca dos gatos diz-se a liberdade de quem se dá só
a quem se ama.
Por amor do gato se escreve o livro e se faz da palavra
o louvor do que é
felino
e

do que , por não ter dono , é livre e é eterno !




José Jorge Letria _ excertos do poema " Os gatos nossos de cada dia "_

terça-feira, maio 25, 2010

Côr de opções .



Criança que não tem Playstation ,

dá nisto ...

segunda-feira, maio 24, 2010

Côr de fêmea .



Ela afundou o corpo nele o mais que pôde , como se assim pudesse
aprisionar um instante , como se assim pudesse aprisionar o amor.
E ele , querendo as respostas que a vida não lhe entrega e que
só uma mulher é capaz de abrigar dentro de si , puxou os seus quadris
com a ânsia de escorregar para dentro dela e ali ficar.
Só uma fêmea é capaz de dividir-se assim ao meio ...
a metade de baixo a sobrepor-se forte , desfalecendo as resistências do macho ,
e
a de cima a ampará-lo , doce , beijando e acarinhando os medos de um filhote.


Rita Apoena

domingo, maio 23, 2010

Côr de Johnny Guitar .



No dia em que fazia um ano sobre a morte de João Bénard da Costa , a rtp2 exibiu um dos filmes da sua vida ... Johnny Guitar .
Ainda que não aprecie westerns , tentei ver este . Mas , apesar de todas as referências , pouco vi .

Houve , porém a música ...

sábado, maio 22, 2010

Côr de procissão ... ... !



No tempo em que as estradas eram poucas no sertão ,
tangerinos e boiadas cruzavam a região entre volante e cangaço .
Quando a lei era do braço do jagunço pau mandando do coronel invasor
dava-se no interior esse caso inusitado .
Quando o palmera das antas pertencia ao capitão Justino Bento da Cruz ,
nunca faltou diversão , vaquejada , canturia , procissão e romaria
sexta-feira da Paixão .
Na quinta-feira maior , Dona Maria das Dores , no salão paroquial ,
reunia os moradores depois de uma pré-eleção ao lado do capitão .
Escalava a seleção de atriz e atores .
Todo ano era um Jesus , um Caífaz e um Pilatos .
Só nao mudavam a cruz , o verdúguio e os mal-tratos .
O Cristo daquele ano foi o Quincas Beija-Flor .
Caífaz foi Cipriano .
Pilatos foi Nicanor .
Duas cordas paralelas separava a multidão
pra que pudessem entre elas caminhar a procissão .
Quincas conduzindo a cruz .
Foi e num foi advertia , um cinturião pervesso que com força le batia .
Era pra bater maneiro , Bastião não entendia
devido um grande pifão que tomou naquele dia , do vinho que o capelão guardava na sacristia .
Cristo dizia: "ô rapaz , ve se bate devagar , já to todo encalombado . Assim não vou aguentar,
ta com a gota pra duer, ou tu para de bater ou a gente vai brigar . Jogo já essa cruz fora , to ficando aperriado, vou morrer antes da hora de ficar crucificado".
O pior é que o malvado fingia que não ouvia e além de bater com força ainda se divertia , espiava pra jesus , fazia pouco e dizia:
"Que Cristo froxo é você que chora na procissão
?
Jesus pelo que se sabe num era mole assim não .Eu to batendo com pena , tu vai ver o que é bom , na subida da ladeira da venda de fenelon o couro vai ser dobrado até chegar no mercado da cuica mudotor"
Naquele momento ouviu-se um grito na multidao . Era Quincas que com raiva sacudiu a cruz no chão e partiu feito um maluco pra cima de Bastião .
Se travaram num tabefe , pontapé e cabeçada
Madalena levou queda
Pilatos levou pancada
Deram um cacete em Caífaz que até hoje não faz nem sente gosto de nada .
Dismancharam a procissão , o cacete foi pesado .
São Tomé levou um tranco que ficou desacordado .
Acertaram um cocorote na careca de Timotéo que inté hoje é aluado .
Inté mesmo São José , que não é de confusão , na ansia de defender o seu filho de criação aproveitou a garapa pra dar um monte de tapa na cara do bom ladrão .

A briga só terminou quando o doutor delegado interviu e separou cada santo pro seu lado .

Desda que o mundo se fez , foi essa a primeira vez que Jesus foi pro xadrez , mas não foi crucificado .


Chico Pedrosa

quinta-feira, maio 20, 2010

Côr de quasi .


*
Um pouco mais de sol _ eu era brasa ,
Um pouco mais de azul _ eu era além .
Para atingir , faltou-me um golpe d'asa...
Se ao menos eu permanecesse àquem...
/
De tudo houve um começo... e tudo errou...
Ai a dôr de ser-quási, dor sem fim...
Eu falhei-me entre os mais , falhei em mim ,
Asa que se elançou mas não voou...

Momentos d'alma que desbaratei...
Templos aonde nunca pus um altar...
Rios que perdi sem os levar ao mar...
Ansias que foram mas que não fixei...
/
Num impeto difuso de quebranto,
Tudo encetei e nada possuí...
Hoje , de mim , só resta o desencanto

Das coisas que beijei mas não vivi...


Mário de Sá Carneiro



Lembrando , com um dia de atraso , a data de seu nascimento _ 19 de Maio de 1890 _

quarta-feira, maio 19, 2010

Côr de ... e .



Na vida,

é preciso tanto seriedade
quanto delírio.

Se tiveres mais de um pão ,
vende um
e


compra um lírio .


Li Po

domingo, maio 16, 2010

Côr de ... porque sim .



Um dos meus filmes !

Não é " aquele filme " , quase passou despercebido , o actor
[ um homem com quem gostaria de tomar um café ] não está no seu melhor papel , o tema já foi melhor tratado ... é considerado visualmente belo [ até ao enjoo , segundo alguns ]
.

Foram algumas das criticas .

Mas ... um dos meus filmes , porque sim
!

sábado, maio 15, 2010

Côr de acreditares .



Lobos? São muitos.
Mas tu podes ainda
A palavra na língua
Aquietá-los.

Mortos? O mundo.
Mas podes acordá-lo
Sortilégio de vida
Na palavra escrita.

Lúcidos? São poucos.
Mas se farão milhares
Se à lucidez dos poucos
Te juntares.

Raros? Teus preclaros amigos.
E tu mesmo, raro.
Se nas coisas que digo
Acreditares.


Hilda Hilst _ Poemas aos Homens do nosso Tempo _

sexta-feira, maio 14, 2010

Côr de ... já nem sei .


e
juntando o mesmo tratamento , mas em maior escala , dado ao futebol , espero que esse desconto ultrapasse um mês .

Mas com o " presente " , de 13 de Maio ... já nem sei !

quinta-feira, maio 13, 2010

Côr de ciclos ?



" Nós estamos num estado comparável sómente à Grécia , mesma pobreza , mesma indignidade política , mesma trapalhada económica , mesmo abaixamento de caracteres , mesma decadência de espírito. Nos livros estrangeiros , nas revistas quando se fala num país caótico e que pela sua decadência progressiva , poderá ...vir a ser riscado do mapa da Europa , citam-se a par , a Grécia e Portugal ".


Eça de Queirós _ As farpas , 1892 _

quarta-feira, maio 12, 2010

Côr de não sou daqui .



Onde quer que esteja,
em qualquer lugar
na Terra,

escondo dos outros a certeza de
que não sou daqui .
Como se tivesse sido enviado para absorver
o máximo das cores , sons , cheiros, sabores ,
provar de tudo o que é reservado ao Homem ,
converter o vivido
num registo mágico ,

e
levá-lo para lá ,
de

onde parti.


Czeslaw Milosz _ Alguns gostam de poesia _

Momentos há , que chego a crer , profundamente , como minha , esta declaração !

domingo, maio 09, 2010

sábado, maio 08, 2010

Côr de se sesse .



Se um dia nós se gostasse ,
Se um dia nós se queresse ,
Se nós dos se impariásse ,
Se juntinho nós dois vivesse !
Se juntinho nós dois morasse
Se juntinho nós dois drumisse ,
Se juntinho nós dois morresse !
Se pro céu nós assubisse ?
Mas porém , se acontecesse
qui São Pêdo não abrisse
as portas do céu e fosse,
te dizê quarqué toulíce?
E se eu me arriminasse
e tu cum insistisse ,
prá qui eu me arrezorvesse
e a minha faca puxasse,
e o buxo do céu furasse ?...
Tarvez qui nós dois ficasse
tarvez qui nós dois caísse
e o céu furado arriasse
e as virge tôdas fugisse!!!


Severino Andrade da Silva _ Zé da Luz _

quarta-feira, maio 05, 2010

Côr de vergonha !


*
Dia 9 de Maio, na Póvoa de Varzim , efectua - se , mais uma vez , Garraiada .


Algumas pessoas insistem em acreditar que uma garraiada não é um evento cruel e indigno para os animais, mas esta crença é falsa, senão vejamos ...

De acordo com o Decreto Regulamentar n.º 62/91, de 29 de Novembro, também designado por Regulamento do Espectáculo Tauromáquico , uma garraiada é uma variedade tauromáquica onde são lidados – quer por cavaleiros praticantes, quer por amadores – *garraios*. Ora, um *garraio* é um touro entre os dois e os três anos de idade (chamam-lhe vitelo desde que nasce até deixar de mamar, dessa altura e até aos dois anos de idade chamam-lhe bezerro, entre os dois e os três anos é chamado de garraio, entre os três e os quatro novilho, e depois touro), e se uma tourada já é um evento traumático para um animal adulto, mais será para um ainda jovem. Nas garraiadas, a dada altura, é comum uma série de estudantes saltarem para a arena e darem início ao que chamam “brincadeira” com o animal. A “brincadeira” passa por lhe puxarem o rabo, andarem com ele à roda, colocarem-se em cima dele, e por aí adiante. Estes e outros tipos de sevícias sucedem a um animal que não escolheu estar ali, não pertence ali, não faz ideia do que lhe
está a acontecer, e só foi colocado nesta situação para divertir alguns daqueles que serão os decisores deste país num futuro próximo. Não é raro vermos estudantes ébrios a entrarem para as praças, o que faz com que a pouca-vergonha que ali se vai passar seja ainda mais descontrolada, e possa até culminar na morte do animal, como aconteceu há alguns anos com uma bezerra, que no meio de uma destas “brincadeiras”, foi morta por quebra de pescoço. Era a vida de uma jovem que a não pôde viver, apenas porque alguém de uma outra espécie precisou divertir-se e não encontrou outra forma menos doentia e primária para o fazer.

É especialmente chocante que as camadas mais jovens da sociedade, que deviam também ser as mais modernas e desenvolvidas intelectual e civilizacionalmente, participem neste tipo de diversão tão ancestral e vergonhoso.

A Animal ( enviado por e- mail )


E a vergonha não deve limitar - se aos que praticam tais actos , mas aos que assistem , impávidos , ao seu desenrolar !

sábado, maio 01, 2010

Côr de 1 de Maio .



Não eram meus os olhos que te olharam
Nem este corpo exausto que despi
Nem os lábios sedentos que poisaram
No mais secreto do que existe em ti.

Não eram meus os dedos que tocaram
Tua falsa beleza, em que não vi
Mais que os vícios que um dia me geraram
E me perseguem desde que nasci.

Não fui eu que te quis. E não sou eu
Que hoje te aspiro e embalo e gemo e canto,
Possesso desta raiva que me deu

A grande solidão que de ti espero.
A voz com que te chamo é o desencanto

E o espermen que te dou, o desespero.



José Carlos Ary dos Santos