A _ cor _ dar , é preciso !






Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

quarta-feira, outubro 29, 2014

Côr de uma injusta










O
tiro   que   matou   o   pássaro 
foi   o   mesmo  que   matou   o   caçador .
Duas   mortes . . .   só   uma   injusta .









Albano  Martins
imagem  _   Marina Terauds_

terça-feira, outubro 28, 2014

domingo, outubro 26, 2014

domingo, outubro 19, 2014

Côr de fome














Vi  ontem  um   bicho
Na   imundície  do  pátio
Catando  comida  entre  os  detritos.

Quando  achava  alguma  coisa ,
Não  examinava  nem  cheirava ,
Engolia  com  voracidade.

O  bicho  não  era  um  cão ,
Não  era  um  gato ,
Não   era   um  rato.



O bicho, meu Deus ,  era um homem.








Manuel   Bandeira 
imagem _  Ada  Muntean  

quarta-feira, outubro 15, 2014

Côr de asas frias

















Tinha  o  cheiro  da  fome , língua  amarga
das  noites  sem  manhã ,  o  sol  filtrado
nas  frinchas  da  parede  onde  cresciam ,
metáforas de  medo  ,  fungos  pardos ,
poemas  de  veneno  e  asas   frias .







Puri  Fontes_   Poemas de Veneno e Asas Frias _
imagem  _     Marina  Terauds

domingo, outubro 12, 2014

quinta-feira, outubro 09, 2014

Côr de segunda sexta




















Na próxima "Segunda Sexta às Sete", 10/10 às 19h, no Edifício AXA (av. dos Aliados - Porto), a Poetria apresentará o livro de poesia "Já não moro aqui", onde a autora , Ana Margarida Borges, procura, através de palavras, "novos semas por abrir", o seu "lado oculto", mais verdadeiro, mais livre, "em busca de uma nova primavera".

É como se um bocadinho de cada um de nós se aninhasse nestes versos, carregados de humanidade e sonho.

Com Celeste Pereira, Eduardo Leal e Luz Norton (leitura de poemas) e Dinis Lecomte (violoncelo). Mais biscoitos literários (e não só) com vinho do nosso Porto.

NÃO FALTEM QUE NOS FAZEM FALTA!