A _ cor _ dar , é preciso !






Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

domingo, janeiro 14, 2018

Côr de musica que gosto




Letra: Tiago Torres da Silva
Pedro Jóia _  guitarra  e  arranjos sobre  musica de  Armandinho
Voz _  Teresa   Salgueiro

segunda-feira, janeiro 08, 2018

domingo, janeiro 07, 2018

Côr de apesar do amor ,





















ela ,
está   cansada  . . . 

das   conversas   superficiais ,
das   vaidades  sem  sentido ,
dos   egos  obesos   e  sufocantes ,

de   ser  , para  muitos , uma  óptima  ouvinte  ,
e
de  ao  falar  com   outros , escutar  a  sua  própria  voz   ecoando  no  vazio .

 
Continuará   a  dar  ,   não   permitindo ,  porém ,  ser   roubada   .


Lamenta   que   não   entendam   que   ela  nasceu  sob  a  constelação   da  liberdade , 
e
que  necessita  correr ,  descalça ,   pelos  bosques   e   que  o   silencio   seja  
interrompido ,  apenas ,  pelo   o  canto   das   aves .







imagem  _   Amy  Judd  _

sábado, janeiro 06, 2018

Côr de lingua























Em   tempos   antigos ,  o  rei  de  Maní  de  Yucatán  entregou  ao  cozinheiro  um   animal  acabado  de caçar  e   encarregou - o  de  lhe  servir  a  melhor 
parte .
O  rei  saboreou  língua   assada .
Pouco  depois ,  o  rei  entregou  ao  cozinheiro  outro  animal   recém  caçado   
e  ordenou - lhe  que  servisse  a  pior  parte .
E  veio outra  vez  língua  no  prato .
E
o  rei   zangou -se ,  mas  o  cozinheiro  tinha  razão  .











Eduardo   Galeano  _  O   caçador  de  histórias  _
imagem  _   Kate  MacDawell

terça-feira, janeiro 02, 2018

Côr de mais fácil




















Há  ,
ainda   hoje  ,
a  quem  seja  mais  fácil  sofrer  ,
do   que  pensar  . . .










imagem  _  Janie   Olsen

domingo, dezembro 31, 2017

Côr de 2018





























Que
no   próximo    ano   consigamos   obter    ou   recuperar
o   que   de  mais  falta    sentimos  .


Voltar    a  acreditar  . . .    a  minha    urgência  !








Imagem  _   Igor Kamenev   _

domingo, dezembro 24, 2017

Côr de Natal de Jesus




























Mulheres atarefadas
Tratam do bacalhau,
Do peru, das rabanadas.
 Não esqueças o colorau ,
O azeite e o bolo-rei !
Está bem , eu sei  ! 
E as garrafas de vinho ?
Já vão a caminho ! 
Oh mãe , estou pr'a ver
Que prendas vou ter.
Que prendas terei ?
Não sei , não sei ... 

Num qualquer lado ,
Esquecido, abandonado ,
O Deus  Menino
Murmura baixinho  . . .
Então e eu ,
Toda a gente me esqueceu ?

Senta-se a família
À volta da mesa.
Não há sinal da cruz ,
Nem oração ou reza .
Tilintam copos e talheres.
Crianças , homens e mulheres
Em eufórico ambiente.
Lá fora tão frio ,
Cá dentro tão quente .

Algures esquecido ,
Ouve-se Jesus dorido . . .
Então e eu ,
Toda a gente me esqueceu ?

Rasgam-se embrulhos ,
Admiram-se as prendas ,
Aumentam os barulhos
Com mais oferendas .
Amontoam-se sacos e papeis
Sem regras nem leis . 


E Cristo Menino
A fazer beicinho . . .

Então e eu ,
Toda a gente me esqueceu
?

O sono está a chegar.
Tantos restos por mesa e chão .
Cada um vai transportar
Bem estar no coração .
A noite vai terminar ,


E o Menino , quase a chorar . . .
Então e eu ,
Toda a gente me esqueceu


Foi a festa do Meu Natal
E , do princípio ao fim ,
Quem se lembrou de mim
?
Não tive tecto nem afecto .

Em tudo , tudo , eu medito
E pergunto no fechar da luz . . .


 Foi este o Natal de Jesus 
?!





 
 


João Coelho dos Santos 

imagem_  CatrinWelz Stein