Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi




A _ cor _ dar , é preciso !


sábado, dezembro 14, 2013

Côr de . . . até . . .




















Até  . . .
eu    vou    com   as   aves . . . 








imagem  _   Kelly   Mckemn  _  

quarta-feira, dezembro 11, 2013

Côr de Direitos ??? !















Quando
um   "  animal  "   ataca   ou   mata   um   homem ,  
é   condenado  à  morte ,
e   
quando   uma   pessoa   agride   ou   mata   um  
 "  animal  "  ? ? ? !







imagem  _   net  _

segunda-feira, dezembro 09, 2013

Côr de recuperar













dias   encontrei   no   bolso  de   um   casaco ,  uma   pequena  medalha ,  que  já  havia considerado
perdida .
O  seu   valor   material   é   nulo.  Ainda que  os  
objectos  tenham  valor  para  lá  do  material .

O   meu   contentamento  foi   enorme . 
Porquê   este   contentamento  ?

Então ,   aquela   vozinha   que  vive   dentro  de 
nós ,  disse -  me . . .

_  Talvez  ,  porque  recuperar  o  perdido ,
                     seja   saboroso  _ 





imagem  _  Olga   Akasi  _

sábado, dezembro 07, 2013

sexta-feira, dezembro 06, 2013

quinta-feira, dezembro 05, 2013

Côr de a camisa




















Era   uma   vez   um   rei   que   morria   de   melancolia   no   seu   enorme   palácio .
Tinha   uma   esposa   e   filhos   que  eram   carinhosos   com   ele ,   tinha   amigos ,  criados  e   imensas   riquesas ,  mas  nada  lhe   aliviava   o   seu   mal .
Reuniram - se   os   sábios   da   corte   e   um  deles   disse  . . .  _   Sei   o  que   pode   salvar  o  nosso   rei . Enviemos   mensageiros   a   todo   o   reino   à   procura   de   um   homem   feliz ,   verdadeiramente   feliz ,  e   eles   que   tragam   a   sua   camisa  .
Quando   o   nosso  rei  a   vestir ,  ficará   curado _  .
Encontrar   um  homem   feliz  ,  verdadeiramente   feliz ,  revelou - se   tarefa   demorada   e  difícil . 
Finalmente   encontraram   um  . . .   
só   que   ele   não   tinha   camisa !






Omraam  M .  Aïvanhov
imagem  _  Luis   Filipe  Gomes _    

segunda-feira, dezembro 02, 2013

domingo, dezembro 01, 2013

Côr de 1 de Dezembro

















Terão   abolido   como  feriado  nacional   este   dia ,  Dia   da   Restauração  ,  por ser   O  mais antigo
feriado civil !?

 






imagem _  wendy  vaugham  _

sábado, novembro 30, 2013

Côr de negócio




















Jesus escolheu, para nascer, um deserto 
subtropical onde jamais nevou , mas a 
 neve  se converteu num símbolo universal 
do  Natal  desde que a Europa decidiu 
europeizar   Jesus . 


O nascimento de Jesus é, hoje em dia , o negócio 
que mais dinheiro dá aos mercadores que  Jesus
tinha expulsado do templo .





Eduardo  Galeano
imagem _   Josefa   de  Óbidos  _

segunda-feira, novembro 25, 2013

Côr de encontros













A   ternura    e    A   entrega .







imagem _   net _

sábado, novembro 23, 2013

Côr de cicatriz




















O
médico   disse  ,  que   as   cicatrizes  
 do   coração    permanecem .




Manuel  António  Pina 
Imagem _  Karine   Jollet _



È  . . .  e   ao   menor   descuido  ,  
voltam   a    sangrar .

sábado, novembro 16, 2013

Côr de beber




















Nos   teus   dedos   nasceram   horizontes
e   aves  verdes  vieram   desvairadas
beber   neles ,  julgando   serem   fontes  .




Eugénio   de   Andrade
imagem  _  Stasys Krasauskas  _ 

sexta-feira, novembro 15, 2013

terça-feira, novembro 12, 2013

Côr de aniversário teu
















Olho
para as minhas mãos e súbito vejo 

as tuas.
Agora que envelhecem ,
começam a ser tu .
Não própriamente nas feições , mas no olhar ,

no sorriso , na  presença .

Agora que morreste , dou comigo a fazer as coisas

com  as  tuas mãos .
 
A nossa casa e a cara ranhosa do nosso pobre mundo.
Só que desanimo à primeira investida ... sempre  me
 

falta  a água ou o sabão  ou  sobretudo  o  impulso .

 
Teresa Rita Lopes

 
É isso Mãe ...   faltas - me . . .  o  impulso .!

domingo, novembro 10, 2013

Côr de nós sabemos




















/
Esta   é   a   única   verdade
sabemos   que   vos   é   difícil   aceitá - la
envoltos como  estais   em   suborno   e   usura ,
bancos  alta   finança   empréstimos   externos
E   no   entanto ,   esta  manhã  um   pássaro
pousou   à   vossa   beira   embora 
inultimente 



A   pequena   dactilógrafa   matou - se
nós   sabemos   porquê

 Um   carpinteiro   desempregado   rasgou   a   roupa

e  saiu   cantando   para   a  rua 
nós   sabemos   porquê 

Uma   noite
a   jovem    costureira   não   voltou   para   casa
nós    sabemos   porquê

Um poeta   
roeu   as   unhas   enquanto   foi   possível
mas   faltou - lhe   a   coragem   no   momento   derradeiro
nós   sabemos   porquê

Nós   sabemos   porquê

Nós   sabemos   porquê

E   no  entanto  é   doce   dizer  pátria ,
sonhar   a   terra   livre   e   insubmissa
inteiramente   nossa ,
Sonhá - la  . . .

pura ,  alegre ,  acolhedora  ,  virgem
de  medos   mortos   insepultos 






Daniel   Filipe  [  pátria   lugar   de   exilio ]
imagem  _   Chema  Madoz _

sábado, novembro 09, 2013

Côr de palavra antiga








Ser prestável  ,
palavra antiga  .

 



Adilia  Lopes
imagem  _   Margarida  Cepeda  _ 


Fiquei  na  dúvida . . . 
a   qual   delas   a   poeta   se  refere ?
Ser    ou   prestável  ?
Convenhamos   que   ambas   estão   a   precisar   que  as   actualizemos .
Não  as  palavras em  si ,  mas  os  actos   . . .    Ser   e   Prestável  .

sexta-feira, novembro 01, 2013

Côr de Summertime

Côr de ... que estejas em paz




Anos   atrás ,   era   a   Mãe   que   me   telefonava ,  um   pouco   mais  cedo   que   esta  hora  ,  ...
_  não   esqueças   que   o   Pai   faz   anos  _

Hoje ,  foi   diferente .  Vieste   tu ,  em   sonhos ,  lembrar - me  .
Não   era   necessário ,  eu   não   esqueço .
Assim    como   não   esqueço   do   teu   filme   e    música   preferídos  .


sábado, outubro 26, 2013

terça-feira, outubro 22, 2013

Côr de suicídio















Transporto   vagamente
pelo   corpo

um   brando   suicídio
de   manhãs

viagem   retomada
corpo   e   sono

memória   retomada
sono
e    lã





Maria   Teresa   Horta
imagem _  Franco  Fusani _

sábado, outubro 19, 2013

Côr de pequenez





























A   árvore   foi  a   forma   de  te   ver
E   desci   para  abrir   a  casa .
De   me   teres   visitado   e   avistado
Entre   os   ramos
Fizeste -  me   passagem
Da   folha   ao   voo   do   pássaro .
Do   sol   à   doçura   do   fruto .
Para   me   encontrares  me   deste
A   pequenez .




Daniel   Faria
imagem _   Maud  Tindall  Atkinson _

domingo, outubro 13, 2013

Côr de . . . se mirrou
















Pátria   magra ,  meu   corpo  figurado . . .
Meu   pobre   Portugal   de  pele   e   osso !
Nada   na  tua   imagem   se   alterou . . .
A   casca   e   o   caroço  
dum   sonho   que   mirrou . . .





Miguel   Torga  [  27  de  Setembro  de  1960  ]
imagem  _   Giuseppe   Ciracci  _

domingo, outubro 06, 2013

sábado, outubro 05, 2013

sexta-feira, outubro 04, 2013

Côr de dia de animal

















Quando ,
gestos  deste  não   forem   dignos   de   espanto ,  nós   humanos ,   teremos   salvação .









imagem _  da  net  _

quinta-feira, outubro 03, 2013

Côr de dia 3




















È
este   o   corrimão .
Se   me   sentasse   nele   desceria   até   à   juventude




Daniel   Maia   Rodrigues





Não ,
prefiro  continuar   a  subir   as   escadas ,  degrau   a   degrau  !

terça-feira, outubro 01, 2013

sábado, setembro 28, 2013

Côr de . . . só . . .





















quero   um    sítio   para   pousar   a    cabeça  . . .







Manuel António Pina
imagem  _  Bohemiart  _

domingo, setembro 22, 2013

Côr de Outono





























Chegou  ,
a    "   minha   "    estação  !







Imagem  _   Alfons   Mucha  _

sábado, setembro 21, 2013

Côr de Summertime

Obrigada , Luis Filipe

sábado, setembro 14, 2013

Côr de actualidade


































imagem  _  Gravura  de   Francico  Goya  (  1799  )

domingo, setembro 08, 2013

Côr de coisa delicada



















Pensar  em  ti  é  coisa  delicada .
É  um  diluír  de tinta  espessa  e  farta
e  o   passá-la  em  finíssima  aguada
com  um  pincel  de  marta .


Um  pesar   grãos  de  nada  em  mínima  balança
um armar de arames cauteloso e atento ,
um proteger  a  chama  contra  o  vento ,
pentear  cabelinhos  de  criança .

Um   desembaraçar  de  linhas  de  costura ,
um  correr  sobre  lã  que  ninguém  saiba  e oiça ,
um  planar  de  gaivota  como  um lábio  a  sorrir ,


Penso  em  ti  com   tamanha  ternura
como  se  fosses  vidro ou película de loiça
que  apenas  com   o  pensar  te  pudesses  partir .






António  Gedeão
imagem _  Gaylord  Ho _

quinta-feira, setembro 05, 2013

sábado, agosto 31, 2013

Côr de distância


















Saudade

não  implica   lonjura . . .

Pode   sentir -  se  saudade   de  quem   está 
à   distância  de  uma  mão . . .

Porém ,   esta   é   acompanhada  de  uma 
dôr   diferente . . .
 
 
 
 

sexta-feira, agosto 23, 2013

Côr de . . . quando




















Quando
a ternura
parece  já  do seu ofício  fatigada ,
e  o  sono , a  mais  incerta  barca ,
inda  demora  ,
quando  azuis  irrompem
os teus  olhos
e  procuram
nos  meus  navegação  segura ,
é  que  eu te  falo  das  palavras
desamparadas  e  desertas ,
pelo  silêncio  fascinadas .





Eugénio  de  Andrade
imagem _  Rahele  Basir  _

domingo, agosto 11, 2013

Côr de busca
















Busco 
pessoa a quem possa dizer . . .

_  senta  ao  meu  lado ,  e  vamos  deixar  nossos  silêncios  conversar _





imagem _  Tomasz  A .  Kopera  _

sábado, agosto 10, 2013

Côr de Urbano Tavares Rodigues








Letra _   Urbano Tavares Rodrigues _
Musica _ Adriano Correia de Oliveira _

quinta-feira, agosto 08, 2013

Côr de ódio ?!















Li  ,
há  dias ,  num   muro . . .

_  O  governo  de  Portugal ,  odeia   os  portugueses  _


Odiar ?!
Não  é   qualquer  um   que  sabe  manejar  um  sentimento  forte  ainda  que  na  maior parte 
das  vezes  seja  negativo ] .

O  governo  de  Portugal  . . .
só  sabe  desprezar ,  desrespeitar ,  enganar . . . 
enfim ,  só  sentimentos  próprios  de  gente  fraca 
e  sem  carácter . 





imagem  _  Bem  Goossens  _

sexta-feira, agosto 02, 2013

quarta-feira, julho 31, 2013

Côr de metáfora















Se  eu  varresse  todas  as  manhãs  as  pequenas 
agulhas  que  caem  deste  arbusto  e  o  chão  que 
lhes  dá  casa ,
teria  uma   metáfora  perfeita 
para  o  que  me  levou  a   desamar - te .





Ana   Luisa  Amaral
imagem _   Araceli   Requena _

domingo, julho 28, 2013

Côr de milagre




















Muitas  vezes  me  tem  sido  perguntado  em  que  circunstâncias  escrevi  a  estória  do  lobo  de  Gubbio .
Foi  no  fim  da  guerra ,  depois  da  libertação  de  Paris .
Sentia - me  farto  da  guerra ,  das  suas  derrotas  e  vitórias ,  farto  de  andar  no  mundo , fatigado  da  cobardia  dos  homens ,  da  vaidade  das  mulheres 
e  das  mentiras  de  todos .
Voltei - me  para  os  santos ,  e ,  entre  todos , para  Francisco  de  Assis .
Amo  os  lobos ,  nascidos  para  a  solidão  e  para  a  fome .
Amo  os   lobos ,  porque  amo  os  temperamentos 
fortes  e  rectos  que  preferem  a  violência  à 
manha . 
A   delicadeza  de  um  ser  forte  é  mais  subtil  que 
a  de  um  fraco .





Raymond L. Bruckberger _ O lobo  milagreiro ,  excerto_
imagem  _  net _



Continuamos  fatigados  com  a   cobardia  e   mentiras  da   maior  parte  dos  homens
Os  lobos   estão   em  via  de   extinção [  não  podem , portanto  ensinar  ao  homem  o  que  é  ser  recto ] e  que  me  conste   S. Francisco  de  Assis  já   deixou   a  Terra ,  daí   não  poder    fazer  contratos  de   honradez   com   os  seres ,  tal  como  fez   com  o  lobo .

Quero  acreditar  que  haverá   outras  soluções .
E   se   a  união  fosse  o   começo ?

quarta-feira, julho 24, 2013

sábado, julho 20, 2013

Côr de . . . coração




















 

 Quando um homem começa a aprender, ele nunca sabe muito claramente quais são seus objetivos.
Devagar, ele começa a aprender... a   princípio , pouco
a pouco , e depois em porções grandes. E logo seus pensamentos entram em choque. O que aprende nunca
é o que ele imaginava , de modo que começa a ter medo. Aprender nunca é o que se espera. Cada passo da aprendizagem é uma nova tarefa , e o medo que o homem sente começa a crescer impiedosamente, sem ceder. Seu propósito toma-se um campo de batalha .

E assim ele se depara com o primeiro de seus inimigos naturais. . .  o medo! Um inimigo terrível, traiçoeiro, e difícil de vencer. Permanece oculto em todas as voltas
do caminho, rondando , à espreita. E se o homem, apavorado com sua presença, foge, seu inimigo terá posto um fim à sua busca.

_ E o que pode ele fazer para vencer o medo?

– A resposta é muito simples. Não deve fugir. Deve desafiar o medo , e , a despeito dele , deve dar o passo seguinte na aprendizagem , e o seguinte , e o seguinte. Deve ter medo , plenamente , e no entanto não deve parar. É esta a regra! E o momento chegará em que seu primeiro inimigo recua. O homem começa a se sentir seguro de si. Seu propósito toma-se mais forte. Aprender não é mais uma tarefa aterradora. Quando chega esse momento feliz , o homem pode dizer sem hesitar que derrotou seu primeiro inimigo natural .


_Uma vez que o homem venceu o medo , fica livre dele
o resto da vida , porque, em vez do medo , ele adquiriu a clareza... uma clareza de espírito que apaga o medo. Então , o homem já conhece seus desejos ,  sabe como satisfazê-los. Pode antecipar os novos passos na aprendizagem e uma clareza viva cerca tudo. O homem sente que nada se lhe oculta.
E assim ele encontra seu segundo inimigo ...  a clareza! Essa clareza de espírito, que é tão difícil de obter , elimina o medo, mas também cega .

Obriga o homem a nunca duvidar de si. Dá-lhe a segurança de que ele pode fazer o que bem entender, pois ele vê tudo claramente. E ele é corajoso porque é claro , e não para diante de nada , porque é claro. Mas tudo isso é um engano , é como uma coisa incompleta. Se o homem sucumbir a esse poder de faz-de-conta , terá sucumbido a seu segundo inimigo e tateará com a aprendizagem. Vai precipitar-se quando devia ser paciente, ou vai ser paciente quando devia precipitar-se. E tateará com a aprendizagem até acabar incapaz de aprender qualquer coisa mais.


_ Mas o que tem de fazer para não ser vencido?

_Tem de fazer o que fez com o medo... tem de desafiar sua clareza e usá-la só para ver, e esperar com paciência e medir com cuidado antes de dar novos passos , deve pensar , acima de tudo, que sua clareza é quase um erro. E virá um momento em que ele compreenderá que sua clareza era apenas um ponto diante de sua vista. E assim ele terá vencido seu segundo inimigo, e estará numa posição em que nada mais poderá prejudicá-lo. Isso não será um engano. Não será um ponto diante da vista. Será o verdadeiro poder.

Ele saberá a essa altura que o poder que vem buscando há tanto tempo é seu, por fim. Pode fazer o que quiser com ele. Seu aliado está às suas ordens. Seu desejo é ordem. Vê tudo o que está em volta. Mas também encontra seu terceiro inimigo ... o  poder !
O poder é o mais forte de todos os inimigos. E , naturalmente, a coisa mais fácil é ceder . . . afinal de contas , o homem é realmente invencível. Ele comanda . Começa correndo riscos calculados e termina estabelecendo regras , porque é um senhor .
 
_E como o homem pode vencer seu terceiro inimigo , Dom Juan ? 

_Também tem de desafiá-lo , propositadamente. Tem de vir a compreender que o poder que  parece ter adquirido na verdade nunca é seu. Deve controlar-se em todas as ocasiões , tratando com cuidado e lealdade tudo o que aprendeu. Se conseguir ver que a clareza e o poder , sem controle, são piores do que os erros, ele chegará a um ponto em que tudo está controlado. Então , saberá quando e como usar seu poder. E assim terá derrotado seu terceiro inimigo.
O homem estará, então, no fim de sua jornada do saber, e quase sem perceber encontrará seu último inimigo. . . a velhice! Este inimigo é o mais cruel de todos , o único que ele não conseguirá derrotar completamente , mas apenas afastar.
É o momento em que o homem não tem mais receios, não tem mais impaciências de clareza de espírito... um momento em que todo o seu poder está controlado, mas também o momento em que ele sente um desejo irresistível de descansar. Se ele ceder completamente a seu desejo de se deitar e esquecer, se ele se afundar na fadiga, terá perdido a última batalha , e seu inimigo o reduzirá a uma criatura velha e débil. Seu desejo de se retirar dominará toda a sua clareza , seu poder e sabedoria .

Mas se homem sacode sua fadiga e vive seu destino completamente , então poderá ser chamado de um homem de conhecimento , nem que seja no breve momento em que ele consegue lutar contra o seu último inimigo invencível. Esse momento de clareza , poder e conhecimento é o suficiente .
 
 
 
 
 
Carlos  Castaneda _  A  erva  do  diabo  ,  excertos  _
 
 
 
 
Depois ,
de  todas  estas lutas    ,  sabiamente ,  o   homem   dirá  . . .   Só   os   caminhos   que   tenham   coração   devem   ser  
percorridos  . . .
 
        


segunda-feira, julho 15, 2013

Côr de Bana





Até  . . .  . . .

sábado, julho 13, 2013

Côr de guitarra








O  
meu    instrumento   musical   preferido

segunda-feira, julho 08, 2013

Côr de espera
















. . .  o
inesperado   está   prestes   a   acontecer  . . .   . . .











imagem  _  J. Pickford   &   Alfred E. Green  __

domingo, junho 30, 2013

Côr de Nelson Mandela



















Diz - se . . .

Na   vida   quem   é   forte ,   retarda   as   
intenções  mortais   da   própria   morte  .



Amém

mas  sem   sofrimento ,  se  possível  )

segunda-feira, junho 24, 2013

Côr de . . . ainda São João



















O
meu   São  João  preferido .






imagem  _  Luis  Filipe  Gomes  _

Côr de São João














Nascimento  de  São   João   Batista  .






imagem  _   Tintoretto  _

domingo, junho 23, 2013

Côr de concordâcia






















certos   dias ,   que   as   pessoas   me   olham
como  se   não  fosse   de   Cá  . . .  . . .

E   não   é   que   sinto  o   mesmo  !?

sábado, junho 22, 2013

Côr de Guerra


















Tenho  mil  anos .
Foi  o  que  disse  o  menino .
O  soldado  riu - se . . . aterrorizado ,  o  menino  variava .
Ou  desconhecia  o  alfabeto  numérico .

Tenho  mil  anos ,  repetiu  ele  ante  a  ameaça  da  arma .
Se  me  matar ,  prosseguiu  ele ,
vai - se  abrir  um  buraco  maior  que  o  chão .

O  soldado  fitou  os  pés  e  viu  o  abismo .
Só  então  deu  conta
que  ele  mesmo  era  o  menino  que  matava .








Mia  Couto  [  poema  inédito , JL ]
imagem  _  Clayton  Thiel  _

quinta-feira, junho 20, 2013

Côr de comunicado
















 
 
 
 
Apenas
ontem   tive   conhecimento   deste   comunicado  .
Tenho   a  certeza   que   muitos   o   já  terão  lido  ,
e   publicado .
De   qualquer   forma  ,  tenho   necessidade   de  
fazer  constar   a   minha   adesão  a   tudo   que   nele
é   escrito .






imagem  _  Sapronov   Audrey  _

segunda-feira, junho 17, 2013

Côr de mãos lavadas

 


 


Este  gesto ,
está   a   tornar -se ,  cada  vez   mais  ,   frequente  . . .






imagem  _  Holly  Bedrosian  _

quinta-feira, junho 13, 2013

Côr de dois Fernandos


















[ morte  em  13  de  junho  de  1231 ]
 
 
 
               
 
 Se depois de eu morrer , quiserem escrever a minha biografia ,
não há nada mais simples
Tem só duas datas . . . a da minha nascença e a da minha morte.
[ 13  de  junho  de  1888 --  30 de  Novembro  de  1935 ]

Entre uma e outra cousa todos os dias são meus.


Fernando  Pessoa

segunda-feira, junho 10, 2013

Côr de dia 10 de junho
























Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades ,
Muda - se  o  ser  muda - se  a   Confiança

Continuamente  vemos  novidades ,
Diferentes em tudo  da  esperança .

E , afora  este  mudar-se  cada  dia ,
Outra  mudança  faz  de  mor  espanto . . .
Que  não  se  muda  já  como  soía .
 Luís de Camões [   soneto  com  alguns  corte  ]
imagem  _   Mário  Botas _

sábado, junho 08, 2013

Côr de Luz




















É
na   escuridão  intensa ,  que   testamos
a    nossa   Luz   . . .







imagem  _  net  _

quarta-feira, junho 05, 2013

Côr de Ambiente




















Nas
mãos  ,  com   todo   o   amor  e   delicadeza  que  ele merece !







imagem  _  Caras  Ionut  _

domingo, junho 02, 2013

Côr de única forma



















Por   vezes ,
a   vida   presenteia - nos   com   acontecimentos   tão   pesados ,  que   a   leveza  , é  a   única   forma   de   com  eles  lidar .




imagem  _  net  _

sábado, junho 01, 2013

Côr de criança



















Como  vão  as   nossas  crianças   interiores  ?

Voltaram   a   ter  medo  do   escuro ,  de  fantasmas  ,  de  monstros  . . .   . . .  . . .  ! ?

Oxalá   que  não .

Oxalá !





imagem  _  Albino  Moura  _


sábado, maio 25, 2013

Côr de . . . na infância



















/
os dias foram-se sumindo cor de chumbo
na procura incessante doutra amizade
que lhe prolongasse a vida  . . .

e uma vez acordou ,
caminhou lentamente por cima  da  idade
tão longe quanto pôde
onde era possível inventar outra infância
que não lhe ferisse o coração  .



 


Al Berto  _   O Medo  _
imagem  _  Julie  Massy  _




porque  há  feridas  ,  que  nos  acompanham  toda  uma  vida  ,  desde  a   infância  . . .