A _ cor _ dar , é preciso !


sexta-feira, julho 19, 2019

Côr de não te rendas




























Procura acrescentar um côvado 
à tua altura. Que o mundo está 
à míngua de valores 
e um homem de estatura justifica 
a existência de um milhão de pigmeus 
a navegar na rota previsível 
entre a impostura e a mesquinhez 
dos filisteus. 
Ergue-te desse oceano 
que dócil se derrama sobre a areia 
e busca as profundezas, o tumulto 
do sangue a irromper na veia 
contra os diques do cinismo 
e os rochedos de torpezas 
que as nações antepõem a seus rebeldes .

Não te rendas jamais, nunca te entregues, 
foge das redes, expande teu destino. 
E caso fiques tão só que nem mesmo um cão 
venha te lamber a mão, 
atira-te contra as escarpas 
de tua angústia e explode 
em grito, em raiva, em pranto.

Porque desse teu gesto 
há de nascer o Espanto.








Eduardo Alves da Costaimagem _   Afarin   Sajedi  _

terça-feira, julho 16, 2019

Côr de ... e assim vai a humanidade !


   

            Casal   beijando - se   depois  de  ter   morto   o  leão  .













                Imagem    retirada   do  Jornal   de  Notícias  ,  onde  se  encontram   mais      pormenores  .

Côr das excepções .

Quando  
"  for  grande " quero ser  este  homem  . . .








































Tinha   agendado   esta   publicação   para  hoje . 

imagem  _   net  _

domingo, julho 14, 2019

Côr de chamo casa à saudade





Musica , Armandinho ,  arranjo Pedro Joia
Letra , Tiago Torres Silva

Côr de outro coração



























Ante  o  frio
faz  com  o  coração
o  contrário  de  que  fazes  com   o  corpo...
despe - o .
Quanto  mais  nu ,
mais  ele  encontrará
o  único  agasalho  possível ...
Um  outro  coração .









Conselho  do  Avô ,  Mia   Couto _   A  chuva  pasmada  _   

Imagem _  Kate  MacDawel  _

quarta-feira, julho 10, 2019

Côr de mãos

























Não  
escutemos   sómente  as  línguas , 
interroguemos  as   mãos  .

Elas  não  conseguem   mentir ,  mesmo  refugiadas  na gruta recôndita das algibeiras.



Gosto de mãos e  de sentir a sua energia  e  a estória que  atravessam  no momento .

Há  as tristes como flores murchas ,  e  as cerradas  a  comprimir  a raiva  e  a  dor .
Há  as  erguidas como muralhas  .  
Há   as  que   dizem  em  silêncio  .

Há as que mesmo  à distância  seguram  quem  está  prestes a tropeçar,  mãos  aconchegantes , e  que  juntam  as  suas para beberem  a  tristeza  dos  outros .

  


Já senti muitas mãos nas minhas. E, com elas , consegui tocar  o  impalpável  .





Nunca esqueci as mãos das pessoas que amei. 
Sinto algumas como se fossem minhas.




imagem  René  Magritte _

domingo, julho 07, 2019

Côr de musica que gosto


Côr de grito de todos nós



























Edvard    Munchc   ouviu  o  céu  gritar .
O   crepúsculo  já  tinha  passado ,  mas  o  sol   persistia ,
em  línguas  de  fogo  que  subiam  do  horizonte ,  quando  o  céu   gritou .
Munch  pintou  esse  grito .
Agora ,   quem   vê  o  quadro  tapa  os  ouvidos .
O  novo  ano  nascia   a  gritar  .




Eduardo _  Galeano _  Espelhos 
imagem _   Edvard  Munchc  _



E  a  dor  que  provoca  o grito  continua ,   mais  forte  .
E  para  quê   tapar  os  ouvidos ?  
Ela  está  dentro  de  todos  nós    . . .    ou  devia  !

Côr de João Gilberto


sábado, julho 06, 2019

Côr de musica que gosto


Côr de saudades de mim







Há  
situações   e   pessoas   que  me  provocam  . . . 
                     uma imensa  saudade  de mim  !