Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi




A _ cor _ dar , é preciso !


domingo, julho 28, 2013

Côr de milagre




















Muitas  vezes  me  tem  sido  perguntado  em  que  circunstâncias  escrevi  a  estória  do  lobo  de  Gubbio .
Foi  no  fim  da  guerra ,  depois  da  libertação  de  Paris .
Sentia - me  farto  da  guerra ,  das  suas  derrotas  e  vitórias ,  farto  de  andar  no  mundo , fatigado  da  cobardia  dos  homens ,  da  vaidade  das  mulheres 
e  das  mentiras  de  todos .
Voltei - me  para  os  santos ,  e ,  entre  todos , para  Francisco  de  Assis .
Amo  os  lobos ,  nascidos  para  a  solidão  e  para  a  fome .
Amo  os   lobos ,  porque  amo  os  temperamentos 
fortes  e  rectos  que  preferem  a  violência  à 
manha . 
A   delicadeza  de  um  ser  forte  é  mais  subtil  que 
a  de  um  fraco .





Raymond L. Bruckberger _ O lobo  milagreiro ,  excerto_
imagem  _  net _



Continuamos  fatigados  com  a   cobardia  e   mentiras  da   maior  parte  dos  homens
Os  lobos   estão   em  via  de   extinção [  não  podem , portanto  ensinar  ao  homem  o  que  é  ser  recto ] e  que  me  conste   S. Francisco  de  Assis  já   deixou   a  Terra ,  daí   não  poder    fazer  contratos  de   honradez   com   os  seres ,  tal  como  fez   com  o  lobo .

Quero  acreditar  que  haverá   outras  soluções .
E   se   a  união  fosse  o   começo ?

3 comentários:

Mariazita Azevedo disse...

No meu blog OLHAI OS LÍRIOS DO MACUÁ
publiquei hoje, dia 28/07/13, um poema da minha querida amiga brasileira Maria Lúcia.
Gostaria de poder contar com a tua presença, homenageando-a.
Desde já o meu “Bem hajas!”

Mariazita

São disse...

Também gosto de seres fortes que , mesmo quando atacam, o fazem com lealdade.

Detesto as manhas, os jogos de cintura, a sonsice....ai como detesto!

Começar pela união é uma boa ideia.

Sê feliz!

Lilá(s) disse...

Se a união for o começo, conta comigo. Gosto da tua sugestão! teremos que ser rápidos, já nem S. Francisco de Assis nos pode valer, pois tal como dizes, já deixou a terra...
Bjs