Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi




A _ cor _ dar , é preciso !


domingo, fevereiro 15, 2015

Côr de humilhados





















Mylady é perigoso contemplá-la
Quando passa aromática e normal ,
Com seu tipo tão nobre e tão de sala ,
Com seus gestos de neve e de meta l.


Ah ! Como me estonteia e me fascina …
E é , na graça distinta do seu porte ,
Como a Moda supérflua e feminina ,
E tão alta e serena como a Morte
!


Pois bem Conserve o gelo por esposo ,
E mostre , se eu beijar-lhe as brancas mãos ,
O modo diplomático e orgulhoso
Que Ana de Áustria mostrava aos cortesãos .


E enfim prossiga altiva como a Fama ,
Sem sorrisos , dramática , cortante ,
Que eu procuro fundir na minha chama
Seu ermo coração , como a um brilhante .


Mas cuidado , mylady , não se afoite ,
Que hão-de acabar os bárbaros reais ,
E os povos humilhados , pela noite ,
Para a vingança aguçam os punhais .


E um dia , ó flor de Luxo , nas estradas ,
sob  o  cetim  do  azul  e  as  andorinhas ,
Eu hei-de ver errar, alucinadas ,
E arrastando farrapos . . . as rainhas
!  








Cesário  Verde  __  Deslumbramentos  , 1875  _
imagem  _  Colette  Calacione  _

5 comentários:

Luis Filipe Gomes disse...

Gosto muito!

AC disse...

Não há humilhação que sempre dure, mesmo que passem gerações.

Um beijo, Maria! :)

Mariazita disse...

As minhas primeiras palavras são para agradecer a presença na “festa de aniversário” da minha «CASA». Obrigada!

Quando comecei a ler este lindo poema "soou-me" a conhecido -:).
Na minha "biblioteca" tenho um livro de Cesário Verde, que se chama "OBRA COMPLETA DE CESÁRIO VERDE", que fui buscar para confirmar as minhas suspeitas...
E cá está o poema!
Comprei-o em 1970 (isso vi no livro, a minha memória é boa mas não chega a tanto!), e há muito tempo que não lhe pegava. Daqui vai directo para a mesinha de cabeceira. Fico a agradecer esta lembrança -:)))
Até sempre, Maria, minha amiga.

Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Emília Pinto disse...

E nós, portugueses e outros tantos por esse mundo afora esperamos ansiosos que a hora dos humilhados chegue. Já se foram os reis e rainhas, muitos deles, tiranos e por demais orgulhosos, mas continuamos com opressores que não se cansam de humilhar o seu povo. Não conhecia este poema, mas gostei muito. Obrigada pela partilha. Fica bem, amiga! Um beijinho
Emilia

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Além de recolher a inspiração
deste maravilhoso espaço
de sentimentos e amizade,
aproveito a visita para convidá-la
a partilhar a alegria,
de ouvir um poema de minha autoria
musicado em Minas Gerais.

O mesmo se encontra no meu blog
www.sonhosdeumprofessor.blogspot.com.br

e para mim,
ter este poema
escutado por pessoas
que fazem do mundo virtual,
um mundo melhor,
será um tributo a felicidade.