A _ cor _ dar , é preciso !






Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

quarta-feira, agosto 02, 2017



Quando te der saudade de mim
Quando tua garganta apertar
Basta dar um suspiro
Que eu vou ligeiro
Te consolar

Se o teu vigia se alvoroçar
E estrada afora te conduzir
Basta soprar meu nome
Com teu perfume
Pra me atrair

Se as tuas noites não tem mais fim
Se um desalmado te faz chorar
Deixa cair um lenço
Que eu te alcanço
Em qualquer lugar

Quando teu coração suplicar
Ou quando teu capricho exigir
Largo mulher e filhos
E de joelhos
Vou te seguir

Na nossa casa
Serás rainha
Serás cruel, talvez
Vais fazer manha
Me aperrear
E eu, sempre mais feliz

Silentemente
Vou te deitar
Na cama que arrumei
Pisando em plumas
Toda manhã
Eu te despertarei

Quando te der saudade de mim
Quando tua garganta apertar
Basta dar um suspiro
Que eu vou ligeiro
Te consolar

Se o teu vigia se alvoroçar
E estrada afora te conduzir
Basta soprar meu nome
Com teu perfume
Pra me atrair

Entre suspiros

Pode outro nome
Dos lábios te escapar
Terei ciúme
Até de mim
No espelho a te abraçar

Mas teu amante
Sempre serei
Mais do que hoje sou
Ou estas rimas
Não escrevi
Nem ninguém nunca amou

Se as tuas noites não têm mais fim
Se um desalmado te faz chorar
Deixa cair um lenço
Que eu te alcanço
Em qualquer lugar

E quando o nosso tempo passar
Quando eu não estiver mais aqui
Lembra-te, minha nega
Desta cantiga
Que fiz pra ti


Chico  Buarque _ letra _
Cristóvão Bastos _  música  _

1 comentário:

Emília Pinto disse...

A vida é mesmo um palco e nesse palco há todo o tipo de peças, umas belas outras horrendas, pois os actores são humanos e assim são eles, capazes de actos maravilhosos e de acções simplesmente horripilantes.Mas...há também pequenas coisas de muita beleza, o canto da natureza e as cantigas, como esta de Chico Buarque. Dizem que não há coincidências e talvez não haja, mas, hoje, ao escolher o meu novo post pensei nesta cantiga, mas depois optei por um outro poema. Foi bom, pois assim haverá poesia diferente. Como sempre, as tuas cores agradaram-me muito. Muito obrigada, Maria. Um beijinho e até sempre.
Emilia