A _ cor _ dar , é preciso !






Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

quarta-feira, janeiro 22, 2014

Côr de lágrimas















A   pequeníssima  aranha  assusta
a  criança  que  eu  estava  a  olhar ,
e  chora  .
_ Meu  duplo  filho , não  temas  a
intensa  labuta  da  caçadora  de  insectos .
Ela  estende  uma  rede ,  tão  frágil  
que  a  podes  romper  com  o  menor  dedo.
A  menos  que , antes  do  gesto , encontres
a  beleza  do  tecido  luminoso ,

quando  a  aranha  ofende  o  sol
roubando - lhe  alguns  raios ,
ou  a  beleza  da  água  que  ela  retém ,
como  diamantes  sem  preço ,
rosácea  de  lágrimas _







Fiama  Hasse P.  Brandão
imagem _  net _

3 comentários:

São disse...

Como dizia um amigo meu, psicólogo, existe a Lei das Séries: em dois dias é a segunda vez que encontro Fiama, da qual nunca li nada....

Gostei muito do post, Maria

Abraços

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Viste as lágrimas da criança que chorou de medo, mas nunca pensamos nas lágrimas da pequenina aranha quando vê o seu trabalhos delicado destruido num intante.. Quantas aranhinhas não andam perto de nós com lágrimas bailando nos olhos tristes e nós, preocupados com as " falsas urgências " nem paramos para pensar no motivo de tais lágriams? Trabalhos...esperanças...sonhos que, sem explicação aos poucos foram desmoronando e o que resta é só a tristeza de uma vida banhada em lágrimas. Um beijinho, amiga e ...esta cor não é nada bonita, mas... nem tudo é bonito no nosso dia a dia, não é verdade? Fica bem!
Emília

Nilson Barcelli disse...

Um poema lindo, que não conhecia.
Embora tenha lido coisas do autor.
Fizeste um belíssimo post, pois a foto também é lindíssima.
Um beijo, Maria.