A _ cor _ dar , é preciso !






Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

terça-feira, novembro 30, 2010

Côr de nevoeiro . . .



Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
Define com perfil e ser
Este fulgor baço da terra
Que é Portugal a entristecer ...

Brilho sem luz e sem arder ,
Como o que o fogo-fatuo encerra.

Ninguem sabe que coisa quere.
Ninguem conhece que alma tem,
Nem o que é mal nem o que é bem.
_ Que ancia distante perto chora
? _

Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal , hoje és nevoeiro ...

É a Hora
!



*
Fernando Pessoa _ A Mensagem _
Olga Domanova

5 comentários:

Luis Filipe Gomes disse...

tão verdade hoje, tão verdade ontem, e amanhã?
"I do not know what tomorrow will bring"

Nilson Barcelli disse...

Há tanto tempo a entristecer, acho que sofremos de tristeza crónica...
Beijos, querida Maria amiga.

São disse...

É a segunda vez hoje que leio Pessoa e aqui deixo uma frase do primeiro poema que li: "Falta cumprir-se Portugal!"

Um abraço.

poetaeusou . . . disse...

*
a mensagem,
da Mensagem,
que envias
deveria ser lida,
pelos culpados do nevoeiro . . .
,
brisas claras,
deixo,
,
*

AC disse...

Este contínuo repetir, este destino que, de tão adiado, se transforma no próprio destino...

Beijo :)