Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi




A _ cor _ dar , é preciso !


sábado, fevereiro 13, 2016

Côr de uivo



Há 
noites ,  quando  os  lobos se  calam  ,  escuta -se  o  uivo  do  vento , misturado
com  as   vozes  dos  que  com  ele  falam  , dos visionários , dos  excluídos , dos rejeitados , dos  apelidados  de  loucos , dos que ainda acreditam  nos  sentimentos puros , dos  que  ainda se comovem , dos que  ainda sonham , dos que são  julgados e  desprezados , dos heróis esquecidos , dos vagabundos , dos que não  têm  medo  de dizer o que  pensam ,  enfim , dos homens de coração  .

 
Mas   só   quando  o  vento  uiva ,  e  há   luar .


3 comentários:

AC disse...

Gostei de ler, Maria.
(Fartei-me de procurar uma imagem para o texto que publiquei hoje, e esta, se a visse, provavelmente seria escolhida)

Um beijinho :)

São disse...

Belissimo texto, amiga!

Esperemos que os uivos se oiçam e façam tremer os Senhores do Mundo!

Abraço estreito, Maria.

Luis Filipe Gomes disse...

Não sei se me inquieta mais o uivar dos lobos (ouvi poucas vezes e era criança) ou o uivar do vento.
Tenho uma janela que se ficar entreaberta uiva que se farta. Quando ela uiva e me vou inteirar da tempestade quase sempre vejo que é ilusão. A tempestade não é mais do que uma fresta por cerrar.