A _ cor _ dar , é preciso !






Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

domingo, dezembro 17, 2017

Côr de natividade



















Foi numa cama de folhelho,
entre lençóis de estopa suja
num pardieiro velho.

Trinta horas depois a mãe pegou na enxada
e foi roçar nas bordas dos caminhos
manadas de ervas
para a ovelha triste.
E a criança ficou no pardieiro
só com o fumo negro das paredes
e o crepitar do fogo,
enroscada num cesto vindimeiro,
que não havia berço
naquela casa.
E ninguém conta a história do menino
que não teve
nem magos a adorá-lo,
nem vacas a aquecê-lo,
mas que há-de ter
muitos reis da Judeia a persegui-lo
que não terá coroas de espinhos
mas coroas de baionetas
postas até ao fundo do seu corpo.

Ninguém há-de contar a história do menino.
Ninguém lhe vai chamar o Salvador do Mundo.




Alvaro   Feijó 
imagem  _    net  _

5 comentários:

Luis Filipe Gomes disse...

Tudo é simbólico. O pior é valorizar o símbolo e não aquilo, ou aqueles, que ele representa.

Emília Pinto disse...

E junto com o Menino Jesus devemos pôr no nosso coração todos aqueles que talvez não morram na cruz, mas cuja vida é um calvário de sofrimento. Aqui te deixo um forte abraço de grande amizade e que o Menino Jesus te abençoe sempre. Um Natal feliz, querida Maria,
Emilia

Smareis disse...

Que neste natal sejam confraternizados todos os desejos
De um mundo melhor.
Eu desejo um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo!
Que a luz divina ilumine o seu caminho neste e em todos os Natais que virão. Boas festas pra você e os teus!
Uma boa semana Maria!

Mariazita disse...

Querida Maria
A minha visita de hoje tem apenas como finalidade desejar BOAS FESTAS.
E, para isso, nada melhor do que fazer-me acompanhar de Mahatma Gandhi (Mahatma – “A grande Alma”), e suas sábias palavras:

“Se eu pudesse deixar algum presente a você, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos.
A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora.
Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem.
A capacidade de escolher novos rumos.
Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável:
Além do pão, o trabalho.
Além do trabalho, a acção.
E, quando tudo mais faltasse, um segredo:
O de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída."
(Gandhi)

UM SANTO E FELIZ NATAL!

Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

CÉU disse...

Olá, querida amiga Maria!

Como tem passado? Por aqui, tudo normal.

Deixe que lhe diga que na foto do perfil do seu blogue está linda e fora do comum. O arco-íris abraça-a e dá-lhe ainda mais beleza.

Não conhecia este poema, mas achei-o fora do habitual, invulgar mesmo. Os crentes têm vários tipos de fé e fazem-na à sua medida. Que importa, quem sofre, se na noite de consoada há mesa farta e muitos brinquedos, consumismo, à meia-noite?
Natal deveria ser amor nos 365 dias do ano, mas, infelizmente não é.

FESTAS FELIZES E MAGNÍFICO ANO NOVO.

Beijos com muita estima.