A _ cor _ dar , é preciso !






Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

terça-feira, dezembro 22, 2009

Côr de Natal .



Nasceu
Foi numa cama de folhelho
entre lençois de estopa suja
num pardieiro velho.
Trinta horas depois a mãe pegou na enxada
e foi roçar nas bordas dos caminhos
manadas de ervas
para a ovelha triste.
E a criança ficou no pardieiro
só com o fumo negro das paredes
e o crepitar do fogo,
enroscada num cesto vindimeiro,
que não havia berço
naquela casa.

E ninguém conta a história do menino
que não teve
nem magos a adorá-lo
nem vacas a aquecê-lo,
mas que há-de ter
muitos Reis da Judeia a persegui-lo.
Que não terá coroas de espinhos
mas coroas de baionetas
postas até ao fundo do seu corpo.

Ninguém há-de contar a história do menino.
Ninguém lhe vai chamar Salvador do Mundo
!


Alvaro Feijó _ Dezembro de 1940_


Não ,
a este menino não deve ter acontecido o que se narra , quando se fala de
Jesus Cristo .
Mas , provavelmente , se alguém , um dia , se lembrou do dia do seu nascimento e o festejou , ainda que modestamente , todos fizeram questão da
sua presença , e as ofertas , se existiram , foi a ele que foram entregues. Se beberam , foi em sua honra e não de outro convidado , ainda que simpático e bonacheirão .
Acredito , ou melhor , quero acreditar , que não houve sacrifício de outros seres vivos , nesta celebração .
E quando o abraçaram , foi com um forte abraço de alegria e não porque era
tradição .

Sem comentários: